Tudo que você precisa saber sobre escalada em boulder e tinha vergonha de perguntar

Tudo que você precisa saber sobre escalada em boulder e tinha vergonha de perguntar

Você, a parede, e toda sua potência e destreza concentradas em apenas alguns movimentos precisos no limite da capacidade humana. Isso é a escalada em boulder. Simples. Direta. Intensa.

Das suas origens como mera ferramenta de treinamento até a modalidade mais disputada nos campeonatos de  escalada esportiva, o boulder representa hoje o esporte tanto quanto as vias guiadas ou a escalada tradicional. Ele conquistou seu merecido espaço por ser versátil, desafiador, acessível e incrivelmente divertido.

Quer começar a escalar boulder? Descubra abaixo um pouco mais sobre essa modalidade da escalada. Os boulders já fazem parte da sua rotina? Então leia algumas dicas que podem aumentar sua performance e ajudar a evitar uma lesão!

Ler mais

Thaís Makino: uma tarde com a número 1

Thaís Makino: uma tarde com a número 1

Uma conversa com Thaís Makino, atual campeã brasileira de escalada, atleta da seleção brasileira e uma das favoritas para levar tudo em 2019

Chegamos um pouco mais cedo no nosso ponto de encontro, eu, minha filha de três anos e meu irmão mais velho, que serviria de babá para a tarde.

A Fábrica Escalada é o mais novo endereço em São Paulo de escalada indoor e o atual centro de treinamento de Thaís Makino. Como parece ser o costume em ginásios do tipo, a fachada é discreta, apenas uma porta dando pra rua, sem indicação nenhuma do que acontece lá dentro. Entramos.

Ler mais

Como voltar à rotina de escalada depois de uma lesão?

Como voltar à rotina de escalada depois de uma lesão?

Por Raphael Nishimura

No final de fevereiro tive alta médica para voltar a escalar!

Estava afastado dos treinos por causa de duas fraturas seguidas na clavícula: a primeira foi em 2017 durante uma prova de bike e a segunda foi em 2018 quando houve uma tentativa de retirar a placa e os pinos… (Leia aqui a história completa)

Longe da escalada desde agosto de 2018, chegou a hora de retomar os treinos e focar na escalada, já que pelo menos estava liberado para pedalar desde dezembro!

Nishimura e sua companheira de pedal

Bike pelo menos já estava liberado, agora é voltar a subir parede!

Mas como sair da inércia depois de tanto tempo parado e focar nos treinos de escalada e bike?

A rotina de trabalhar, manter o convívio social, conciliar o trabalho na ABEE (Associação Brasileira de Escalada Esportiva) fora do horário comercial… Não é algo fácil de reorganizar quando você fica tantos meses nesta rotina.

O que eu conseguia fazer era pedalar de leve no final de semana e um pouco de fisioterapia em casa. Eu comprei um thera-band, que é uma fita elástica utilizada para fazer fisioterapia e aquecimento para escalar.

Comprei na tentativa de fazer alguns exercícios com ele, mas adianto que a disciplina nesse ponto não era dos melhores. A questão é que fiz tanta fisioterapia em 2018 que para mim agora existe uma espécie de bloqueio para fazer esses exercícios em casa, mas para ser utilizado para ganhar força muscular é muito bom.

Rapha com sua Thera-band

Uma das minhas sessões com a Thera-band

 

Minha rotina de exercícios para voltar a escalar

Para retomar a escalada eu decidi pegar bem leve, para ganhar condicionamento físico, força e perder peso. Uma dica legal e que me ajudou MUITO e ainda estou mantendo:

Quando eu troquei de emprego e voltei a trabalhar no 14º andar, eu comecei a subir todos os dias de escada para chegar no trabalho. Paro o carro no primeiro subsolo, então são ao todo 15 andares todos os dias!

O começo foi bem cansativo, chegava ofegante no andar e os amigos do trabalho não entendiam ou ficavam assustados… Com o tempo eles se acostumaram, e até um deles resolveu subir as escadas também!

Isso me ajudou a perder peso e ganhar um pouco de condicionamento cardiovascular. Segundo meu aplicativo do celular, minha média diária são de 10 andares por dia, lembrando que não trabalho no final de semana e alguns dias trabalho em casa. Como eu subo em um ritmo tranquilo, não chego nem a suar.

Com certeza o aspecto psicólogico e a motivacão são as peças mais importantes para voltar à rotina de treinos e ter foco em objetivos dentro do esporte. Hoje eu só quero voltar à forma física, não sentir dor quando escalo e não me lesionar.

Não tenho o objetivo de escalar “números”, porém quero muito voltar a me aventurar na rocha, especificamente os grandes paredões. Minha rotina de escalada indoor ainda não está fixa, tenho mantido duas visitas por semana na 90 Graus e aos poucos sinto que a força e elasticidade estão voltando, mas a resistência ainda está bem fraca.

Rapha escalando via na 90 Graus

Eu e meu companheiro de escalada Max, um dos divertidos sacos de magnésio da 8BPlus

Uma outra forma que encontrei para ganhar força foi comprar uma barra dessas de colocar entre o batente da porta e pagar barras e fazer bolinha (não sei o nome técnico disso, mas seria subir as pernas para fortalecer o abdômen). Tem ajudado.

 

Desistir, jamais!

A temporada de escalada em rocha começou! Espero estar preparado física e psicologicamente para praticar o esporte que tanto amo! Alinhado a uma boa alimentação, voltar a ter hábitos saudáveis, tudo começa a se encaixar.

Acredito que toda volta é preciso ter muita paciência, resiliência e pensamentos positivos, que no fim das contas o que tiver que ser será! Foco e disciplina também se encaixam nesse perfil, espero em breve retornar à rocha e encontrar novamente os amigos.

Tenho planos para escalar após o feriado da Páscoa!!!

 

Como escolher a cadeirinha de escalada perfeita para você

Como escolher a cadeirinha de escalada perfeita para você

Nós usamos tanto nossas cadeirinhas de escalada que elas acabam virando uma parte do corpo. Diferente das sapatilhas ou do magnésio, que servem para escalarmos melhor, a função da cadeirinha é muito mais discreta e essencial: ela salva nossas vidas. Mas além da segurança, uma boa cadeirinha deve ser confortável e se ajustar com precisão ao nosso corpo e à nossa modalidade de escalada.

Depois da sapatilha, a cadeirinha é o próximo item na lista de compras do escalador entusiasta. Mas, como tudo, existe no mercado um oceano de opções e é fácil se sentir perdido, sem saber o que é importante e qual é o ideal para cada tipo de uso.

Pensando nisso, preparamos este artigo simples para explicar as diferentes características deste equipamento e te ajudar na hora de fazer uma boa escolha.

Ler mais

Review: mochila Trango Ration Pack, por Lucas Marques

Review: mochila Trango Ration Pack, por Lucas Marques

Sabe o que qualquer escalador, viajante ou aventureiro têm em comum? Seu amor por mochilas de ataque.

Essas mochilas daquele tamanho perfeito em que cabe tudo que precisa, mas ainda conseguem ser compactas o suficiente para não atrapalhar nem pesar nas costas. Pois é. O escalador, viajante e aventureiro Lucas Borges tem a dele, uma Ration Pack, da Trango, e fez um video-review falando das qualidades do equipo.

Ler mais

Review da sapatilha Kestrel Lace, da Five Ten

Review da sapatilha Kestrel Lace, da Five Ten

Procurando uma boa sapatilha para mountain bike, speed ou uso urbano? A Kestrel Lace é uma das melhores sapatilhas para bike da Five Ten e do mercado. Se você busca algo que alie desempenho, conforto e um ótimo visual, encontrou.

O Caddu, do canal de MTB e downhill Solta o Freio, fez um vídeo-review sobre a sapatilha. Dê uma olhada na opinião de quem entende do riscado:

Link do video original no canal da SBI Outdoor

Ler mais

Precisamos falar mais sobre mulheres na escalada

Precisamos falar mais sobre mulheres na escalada

Hoje é 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

Nada de flores ou fotos bonitas com frases de efeito para compartilhar nas redes sociais. Para viver bem o dia de hoje – dia de luta e conquista – resolvemos explorar um fenômeno que todos já perceberam que vem acontecendo nos ginásios e na rocha, mas ainda tem pouca gente falando sobre isso:

As mulheres estão mandando muito na escalada. Ler mais

Já ouviu falar do Centro de Escalada Urbana?

O Centro de Escalada Urbana (C.E.U.), idealizado por Andrew Lenz, é um projeto social de escalada para jovens das periferias do Rio de Janeiro. Fundada em 2010, tem como foco tornar a escalada mais acessível as comunidades do Rio, com o propósito de encorajar os jovens a buscar novos caminhos, além de promover um desenvolvimento e estilo de vida saudável e uma relação forte com o esporte e a natureza.

De acordo com Andrew, o projeto começou realizando palestras, montando muros de escalada em eventos comunitários e convidando grupos de jovens para escalar, mas foi quando firmaram uma parceira com Escola de Surfe da Rocinha que conheceram um grupo de jovens que abraçaram a escalada. “Jonas foi o primeiro aluno que fez um curso básico com a gente. Desde então ele já guiou vias no Dedo de Deus, Pico Maior, ganhou um campeonato de boulder, construiu nosso muro na Rocinha, foi monitor do projeto, foi o primeiro a se formar do nosso programa de bolsista, concluiu o segundo grau, tirou passaporte e passou 3 meses na Suécia. Agora já tá trabalhando de carteira assinada e visando a faculdade. Temos muito orgulho desse menino que se tornou homem. Não escala tanto quanto antes mas ainda tá passeando nas vias de sexto grau”, orgulha-se Andrew.

Em 2017, o C.E.U. ganhou uma sede na favela da Rocinha e aos poucos este espaço foi se transformando em uma academia de escalada.

Jonas, primeiro aluno a fazer um curso básico com o C.E.U. (Crédito: Andrew Lenz)

 

De acordo com o idealizador, mais de 100 alunos já passaram pelo projeto, e atualmente conta com 20 jovens, que frequentam regularmente o espaço. As dificuldades para manutenção do projeto são muitas, mas a vontade em mantê-lo vivo, faz com que parcerias ao longo do caminho fortaleçam este propósito e colaborem para a manutenção da estrutura e dos monitores que trabalham no projeto hoje.

“A SBI outdoor, assim como o C.E.U., acredita na importância do esporte como ferramenta sustentável para aproximar pessoas, trabalhar valores e estreitar o contato com a natureza. Por isso, quando surgiu a ideia de fechar esta parceria, ficamos extremamente contentes em poder contribuir”,  explica Lidiane Saita, gerente comercial da SBI outdoor.

5% das vendas do site da SBI outdoor, nos meses de janeiro e fevereiro de 2019, foram destinados para o C.E.U. As vendas realizadas até o dia 06 de março de 2019 ainda serão doadas para o projeto. 

Aproveita para entrar no nosso site www.sbioutdoor.com.br e adquirir aquele equipo que está precisando. Contribua  com esta causa e incentive os jovens das comunidades do RJ a prática da escalada. 

 

Assista ao vídeo apresentação do Centro de Escalada Urbana. 

 

 

Mad Rock chega ao Brasil com linha de sapatilhas e acessórios para escalada

Mad Rock chega ao Brasil com linha de sapatilhas e acessórios para escalada

Bem-vinda ao time, Mad Rock.

A Mad Rock é uma das empresas mais inovadoras de material de escalada do mundo. Suas sapatilhas, crash pads e acessórios são referência em questão de design, tecnologia e acessibilidade – e a partir de agora, estão disponíveis para o público brasileiro na loja virtual da SBI Outdoor

PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO! Na compra de qualquer sapatilha Mad Rock, ganhe um boné SnapBack! Mas corra, promoção válida para os 10 primeiros clientes!

Ler mais

Escalada nas Olimpíadas: como será a competição e o que já mudou por causa dos Jogos

Escalada nas Olimpíadas: como será a competição e o que já mudou por causa dos Jogos

A Escalada Esportiva fará sua estreia nas Olimpíadas de Tóquio de 2020.

A notícia não é nova para o mundo de escalada, que sabe disso desde 2016, quando o Comitê Olímpico Internacional (COI) declarou a lista dos cinco novos esportes a serem incluídos nesta edição (surfe, skate, karatê e baseball/softball também entraram).

A notícia foi recebida com entusiasmo – talvez até pequenas doses de euforia – por muitos atletas e fãs do esporte. Dois anos se passaram desde então, e agora faltam menos de dois anos para esse evento que deverá influenciar muito a popularidade e a atenção da mídia que a escalada tem hoje.

O que podemos esperar desses jogos olímpicos? Como as modalidades vão funcionar? O que já mudou para a escalada no Brasil? Ler mais